PR 19 - Caminho Real do Paúl do Mar
ao pormenor... Slideshow
Vista 1 Vista 2 Vista 3 Vista 4
Vista 5 Vista 6 Mapa
Distância1,8 km
Duração1h 20m
Altura Máxima535 m
Altura Minima35 m
InícioPrazeres
FimPaúl do Mar
Vista 3

Este percurso situa-se na zona oeste da Ilha da Madeira, ligando a freguesia dos Prazeres com o Paul do Mar, descendo dos 550 metros de altitude até à beira-mar.

Na freguesia dos Prazeres aproveite para visitar a Quinta Pedagógica onde, para além dos animais existentes, poderá saborear, na Casa de Chá, as infusões feitas com ervas aromáticas e medicinais e aproveitar para adquirir os doces tradicionais confeccionados com os frutos de origem biológica.

A descida é feita pela escarpa entre o Assomadouro nos Prazeres e o cais do Paul, por entre poios agrícolas, suportados pelos seus muros de pedra, antigamente cultivados com cereais; hoje em dia, com o declínio da agricultura, deixados ao abandono.
Assomadouro é o nome dado ao lugar de onde se avista algo de interessante, é sinónimo de miradouro. De facto, a vista que obtém daqui é soberba, pois as belas panorâmicas proporcionadas quer à esquerda, a pequenina freguesia do Jardim do Mar, quer à direita, o Paul do Mar, constituem um autêntico deslumbramento.

Denominado de “caminho de concelho”, é exemplo dos difíceis acessos muitas vezes percorridos com pesadas cargas às costas, mas única alternativa à ligação marítima, demasiado cara para muitos e impossível quando o mar se revoltava.
Este trilho constitui um autêntico património histórico; serpenteando a encosta em ziguezague com o piso calcetado em pequenos degraus é testemunha do isolamento das populações antepassadas, e dos engenhosos e árduos caminhos construídos pelo povo para ultrapassar esse isolamento.

As quedas de água e a flora endémica exclusiva destas altitudes, como oMassaroco da rocha (Echium nervosum) e a Figueira do inferno (Euphorbia piscatoria) contribuem para que o trilho se torne uma verdadeira descoberta.

Chegado ao Paúl do Mar, não deixe por explorar esta pequena freguesia à beira mar plantada e de admirar as grandes falésias que a abraçam. Outrora um importante centro piscatório, devido à grande abundância em peixe, fez com que em 1912 aparecesse uma indústria de conserva de atum com fins de exportação. Hoje em dia, poderá ainda observar os vestígios da chaminé da respectiva fábrica, bem como das salinas existentes, do engenho de cana–de–açúcar e ao pequeno porto piscatório com os seus característicos barcos de pesca, mantendo as tradições marítimas.