Levadas e veredas, um modo de conhecer a Madeira, para todo o viandante que aprecia o repouso e o contacto directo com a natureza, frequentemente quase intocada desde os primórdios do povoamento.

Com início na Achada do Teixeira, este trilho sobe até ao pico mais alto da Ilha da Madeira, o Pico Ruivo (1861m).

Junto à casa de abrigo do Pico Ruivo terá acesso a outros 3 trilhos que o levam a diferentes pontos da ilha: o PR 1 – vereda do Pico do Areeiro (5,1/6,4 Km) leva ao Pico do Areeiro, 2º pico mais alto da ilha (1816m); o PR 1.3 – Vereda da Encumeada (8,6 Km), segue para o lado oeste da ilha até à Encumeada, ao longo da cordilheira montanhosa central; e o PR 1.1- Vereda da Ilha (8,2 Km), que desce para a freguesia da Ilha.

Encontrará ao logo da subida vários abrigos, pois aqui a variação climática é brusca, sendo frequente a área ficar mergulhada num mar de nuvens ou acima delas.

Esta área integra a rede europeia de sítios de importância comunitária - Rede Natura 2000 - com o nome de maciço montanhoso central, e abrange desde os picos mais altos até às cotas de 1200m de altitude. Caracteriza-se pela vegetação herbácea e arbustiva bem adaptadas às grandes variações de temperatura, fortes chuvadas e ventos intensos, onde poderemos encontrar a dominância das urzes (Erica scoparia ssp maderensis e Erica aborea), antigamente muito exploradas para a produção de carvão vegetal.

O trilho sobe ao longo do “lombo”, que separa as encostas do Faial das de Santana, pelo que proporciona do lado esquerdo magníficas paisagens sobre o vale da Ribeira Seca, encimada pelo Pico das Torres, e ao fundo o Pico do Areeiro. Do lado direito temos as “empenas” da serra de Santana, onde, ao longe, podemos ver o Parque Florestal das Queimadas e mais à frente a Achada do Marques (pequeno aglomerado populacional caracterizado pelos seus palheiros e campos agrícolas), que nos aparece no meio do vale da Ribeira dos Arcos.

Para o interior temos o vale da Ribeira Grande, que se inicia nas “bocas” do Caldeirão Verde e do Caldeirão do Inferno. Em dias de boa visibilidade, para Este pode avistar a formação rochosa da Penha d’Águia, a Serra das Funduras e a Ponta de S. Lourenço (extremo Este da Ilha da Madeira).

Na Achada do Teixeira pode ainda visitar o “Homem em pé”, formação rochosa basáltica que se encontra descendo a encosta, depois de passar pela frente da casa de abrigo da Achada do Teixeira.

Este trilho tem início na Estrada Regional 209 junto à famosa zona do Fanal, no planalto do Paul da Serra e, acompanhando a Levada dos Cedros chegará à freguesia da Ribeira da Janela.

Aproveite a magnífica zona do Fanal, pequena caldeira vulcânica e classificada de Reserva de Repouso e Silêncio pelo Parque Natural da Madeira para adquirir uma boa dose de terapia de relaxamento. Aqui encontrará uns estupendos bosques de tis (Ocotea foetens) centenários, realçando alguns exemplares que resistem desde tempos antes do descobrimento da ilha.

A Levada dos Cedros tem a sua origem nos afloramentos hídricos do Lombo do Cedro, a 1000 metros de altitude, localizada na encosta da margem direita da Ribeira da Janela. Com uma construção datada do século XVII, esta levada constitui, ainda hoje, uma das mais primitivas construídas na ilha, sendo a mesma escavada no solo da encosta e apenas calcetada em zonas onde o solo é mais friável.

Este percurso insere-se numa área de coberto florestal originário da Madeira, em exuberante estado de conservação e desenvolvimento, a floresta Laurissilva, classificada de Património Mundial Natural pela UNESCO, desde Dezembro de 1999 e integrante da Rede Europeia de Sítios de Importância Comunitária – Rede Natura 2000.

No decorrer do percurso deparará com uma evolução na dimensão das espécies indígenas, chegando a um estado clímax. São tis (Ocotea foetens), Folhados (Clethra arborea), Loureiros (Laurus azorica), Vinháticos (Persea indica), Uveira da serra (Vaccinium padifolium) no seu máximo esplendor.

Desde a sua origem, o traçado da levada dos Cedros desenvolve-se sempre pela declivosa encosta da margem direita da Ribeira da Janela até ao sítio da Entrosa, para depois flectir em direcção a norte, até ao seu termo no Curral Falso.

Este trilho permite a ligação ao PR 15-Vereda da Ribeira da Janela, dando acesso ao núcleo populacional adjacente.

Este percurso situa-se na zona oeste da Ilha da Madeira, ligando a freguesia dos Prazeres com o Paul do Mar, descendo dos 550 metros de altitude até à beira-mar.

Na freguesia dos Prazeres aproveite para visitar a Quinta Pedagógica onde, para além dos animais existentes, poderá saborear, na Casa de Chá, as infusões feitas com ervas aromáticas e medicinais e aproveitar para adquirir os doces tradicionais confeccionados com os frutos de origem biológica.

A descida é feita pela escarpa entre o Assomadouro nos Prazeres e o cais do Paul, por entre poios agrícolas, suportados pelos seus muros de pedra, antigamente cultivados com cereais; hoje em dia, com o declínio da agricultura, deixados ao abandono.
Assomadouro é o nome dado ao lugar de onde se avista algo de interessante, é sinónimo de miradouro. De facto, a vista que obtém daqui é soberba, pois as belas panorâmicas proporcionadas quer à esquerda, a pequenina freguesia do Jardim do Mar, quer à direita, o Paul do Mar, constituem um autêntico deslumbramento.

Denominado de “caminho de concelho”, é exemplo dos difíceis acessos muitas vezes percorridos com pesadas cargas às costas, mas única alternativa à ligação marítima, demasiado cara para muitos e impossível quando o mar se revoltava.
Este trilho constitui um autêntico património histórico; serpenteando a encosta em ziguezague com o piso calcetado em pequenos degraus é testemunha do isolamento das populações antepassadas, e dos engenhosos e árduos caminhos construídos pelo povo para ultrapassar esse isolamento.

As quedas de água e a flora endémica exclusiva destas altitudes, como oMassaroco da rocha (Echium nervosum) e a Figueira do inferno (Euphorbia piscatoria) contribuem para que o trilho se torne uma verdadeira descoberta.

Chegado ao Paúl do Mar, não deixe por explorar esta pequena freguesia à beira mar plantada e de admirar as grandes falésias que a abraçam. Outrora um importante centro piscatório, devido à grande abundância em peixe, fez com que em 1912 aparecesse uma indústria de conserva de atum com fins de exportação. Hoje em dia, poderá ainda observar os vestígios da chaminé da respectiva fábrica, bem como das salinas existentes, do engenho de cana–de–açúcar e ao pequeno porto piscatório com os seus característicos barcos de pesca, mantendo as tradições marítimas.