Levadas e veredas, um modo de conhecer a Madeira, para todo o viandante que aprecia o repouso e o contacto directo com a natureza, frequentemente quase intocada desde os primórdios do povoamento.

Este percurso faz a ligação entre o núcleo populacional da Ribeira da Janela e a área florestal que lhe é sobranceira, entre os 820 e os 400 metros de altitude, iniciando-se junto à estrada regional 209, na zona do Curral Falso e terminando na mesma estrada já dentro do núcleo populacional da Ribeira da Janela.

Este traçado segue os vestígios de uma antiga vereda utilizada pela população para explorar os recursos lenhosos oferecidos pela floresta e essenciais ao seu dia a dia. Era também o caminho utilizado pela população para a ligação com as localidades da zona sul, principalmente com a Calheta e Ponta do Sol, onde os rapazes corpulentos, subindo as encostas das serras, transportavam às costas os barris e/ou borrachos com o vinho produzido para venderem e/ou trocarem por outros produtos.

Na Ribeira da Janela poderá manter o contacto com a tradicional e peculiar área agrícola com os seus característicos poios agrícolas, suportados pelos muros de pedra laboriosamente trabalhados com batata-doce, semilha (batata), feijão, milho e a imprescindível vinha da Ribeira da Janela.

As casas ocupam uma posição dispersa pelos socalcos, estendendo-se entre a foz da ribeira e os 400 metros de altitude, ocupando a igreja uma posição intermédia. O nome da localidade Ribeira da Janela provém do nome do mais extenso curso de água da Ilha da Madeira com aproximadamente 15 700m.

Este é um bom local para poder avistar o Pombo trocaz (Columba trocaz), ave endémica exclusiva da Madeira. Na época das migrações poderá também encontrar na foz da Ribeira algumas das aves migratórias de passagem como a Garça branca (Egretta garzetta), a Garça vermelha (Ardea purpurea), o Pato real (Anas platyrhynchos).

Este trilho permitirá a ligação ao PR 14 – Levada dos Cedros e ao PR 13 – Vereda do Fanal, ambos com acesso à zona do Fanal.

O trilho inicia-se na estrada regional E.R.111 e seguindo o caminho que dará acesso ao topo do Pico Branco, encontramos uma enorme formação prismática na qual a própria vereda foi talhada, é a chamada Rocha Quebrada.
A subida mais íngreme do percurso faz-se ladeada por uma vedação de urze, o que lhe confere um aspecto semelhante a alguns percursos da Madeira, e termina numa falha na rocha da Crista do Cabeço.
A vereda segue por entre uma paisagem com predominância de cupressus (Cupressus macrocarpa) até encontrarmos a bifurcação que nos leva à direita à Terra Chã, e à esquerda ao Pico Branco, segundo pico mais alto do Porto Santo.

O Pico Branco ganhou o nome devido à existência de uma coluna de pedra branca, onde antigamente havia muita urzela, a qual era exportada do Porto Santo para a produção de tintas e de outras especialidades afins.

A Área do Pico Branco e Terra Chã integra a rede europeia de sítios de interesse comunitário – Rede Natura 2000, Directiva Habitats, por apresentar a existência de endemismos de flora e fauna (moluscos terrestres-caracóis).
Este é o único sítio da ilha do Porto Santo onde foi registada a maior quantidade de flora indígena melhor conservada, essencialmente por se encontrar refugiada em áreas abruptas, em escarpas pouco acessíveis ou até mesmo inacessíveis. A vegetação indígena é maioritariamente herbácea e arbustiva.
Aqui podemos encontrar ainda duas espécies de aves marinhas de relevo como a Cagarra (Calonectris diomedea borealis) e o Garajau comum (Sterna hirundo). Na Terra Chã existe uma casa de pedra recentemente restaurada com vista a apoiar a propagação de plantas endémicas, a sua reintrodução no meio e a realização de estudos científicos.

Por debaixo da Terra Chã fica a Furna dos Homiziados, antigo esconderijo de foragidos, onde segundo a tradição várias pessoas se esconderam fugidas da lei e das investidas de pirataria dos argelinos. Conta a lenda que numa dessas emergências o seu tecto se abateu, sepultando quantos lá se abrigavam.

Os inúmeros miradouros naturais que nos oferece esta vereda permitem-nos vislumbrar grande parte da ilha do Porto Santo desde o calhau da Serra de Dentro, Pico do Concelho, Ilhéu de Cima, Pico do Maçarico, Portela, Rocha de Nossa Senhora, a cidade, parte da praia, o Pico Ana Ferreira, Espigão dos Morenos, a Calheta e o Ilhéu de Baixo.

Esta vereda foi traçada de propósito para a passagem dos burros com carga quando os locais semeavam cevada na Terra Chã.
O regresso é feito pela mesma vereda.

Este trilho inicia-se no sítio do Moledo junto à Estrada Regional e, subindo pelo caminho florestal permitirá duas alternativas para o percorrer, pelo lado Norte ou pelo Sul do Pico do Facho. Este tem a particularidade de ser o mais extenso da Ilha do Porto Santo.
Atravessando a zona central da ilha, pela base do Pico do Facho, podemos observar vestígios da antiga área agrícola, do árduo trabalho de construção dos muros emparelhados e contemplar a fantástica obra humana para a reflorestação da ilha.
No cimo do Pico Castelo deparará com a estátua de homenagem a António Schiappa de Azevedo, grande impulsionador da reflorestação do Porto Santo. Todo o processo de arborização permitiu controlar os fenómenos erosivos patentes nesta ilha. Foram introduzidas espécies exóticas, que pelo seu carácter rústico têm maior resistência aos factores adversos, como o caso do Pinheiro de Alepo (Pinus halepensis), do Pinheiro bravo (Pinus pinaster) e do Cedro (Cupressus macrocarpa). As espécies indígenas que podemos encontrar vão desde o dragoeiro (Dracaena draco), a Oliveira (Olea maderensis sp), a Azinheira (Quercus ilex ssp. rotundifolia), algumas Faias (Myrica faya), a urze (Erica scoparia) e florido Massaroco (Echium nervosum).

O percurso oferece paisagens magníficas e a possibilidade de contactar com a fauna da ilha, visionando bandos de perdizes (Alectoris rufa hispanica), de rapinas como a Manta (Buteo buteo harterti) e o Francelho (Falco tinnunculus canariensis), os coloridos Pardais (Passer domesticus) e o impressionante Poupa (Upupa epops).

Após a subida ao Pico Castelo finalizará no Miradouro do Canhão, onde avistará em pano de fundo a cidade Vila Baleira, quase toda a extensão da ilha, e ao longe vislumbrará as Desertas e a Madeira.
A designação do nome Pico Castelo é datada do séc. XV e proveio do facto de existir um forte para onde fugia a população da ilha, quando atacada por piratas franceses e pelos argelinos. A sua posição central, a maior facilidade de organizar a defesa das pessoas, fez deste um verdadeiro Castelo.